Pesticidas em laranjas

Compartilhe:

Amostras de frutas e sucos analisadas em laboratório do IPT apontam presença de agrotóxico proibido pela legislação brasileira



Dois agrotóxicos foram encontrados em amostras de laranjas e de sucos de laranja submetidos a ensaios pela técnica especializada Kelly Cristina Manhani, do Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas do IPT, em sua dissertação de mestrado que analisou a presença de multirresíduos de pesticidas em alimentos cítricos por meio de técnicas cromatográficas – um dos compostos encontrados, o Dicofol, se destaca por ser um produto organoclorado utilizado no controle de ácaros e insetos que, recentemente, foi proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e adicionado à Convenção de Estocolmo devido à sua classificação como Poluente Orgânico Persistente (POP).

O Brasil é o maior produtor de laranja do mundo, responsável por mais de um quarto da exportação in natura e três quartos da exportação mundial de suco de laranja. Em 2021, o país produziu 16.214.982 toneladas de laranja, das quais São Paulo é o principal estado citricultor. “Por conta de sua posição de destaque na cadeia agroindustrial, a segurança alimentar é item fundamental para o Brasil garantir a sustentabilidade produtiva, a competitividade de mercado e a qualidade na produção”, afirma Manhani, que defendeu a dissertação de mestrado no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen).

Para a realização da pesquisa, que teve como objetivo o estudo de uma metodologia para determinação de multirresíduos de agrotóxicos em alimentos cítricos, doze amostras de laranja pera (também conhecida como pera Rio, pera coroa ou simplesmente pera) foram coletadas em feiras livres, sítios e supermercados do Estado de São Paulo e nove amostras de suco de laranja integral produzidas no Brasil foram adquiridas em supermercados. “Escolhi a laranja pera porque a sua produção se destaca no país: além de termos colheitas durante quase o ano todo, o suco produzido tem um alto rendimento e qualidade”, explica ela.

O preparo das amostras de laranja in natura seguiu o procedimento operacional padrão do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) – esta é uma ação do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS), coordenado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em conjunto com órgãos estaduais e municipais de vigilância sanitária e laboratórios estaduais de saúde pública.

As nove amostras de sucos de laranja foram adquiridas em supermercados convencionais e restaurantes na região da zona oeste da cidade de São Paulo. Uma das amostras foi de suco fresco preparado no ato da compra em um restaurante nas proximidades da Universidade de São Paulo (USP) e o restante foram sucos industrializados conhecidos como sucos integrais ou néctar.

AGROTÓXICOS NO BRASIL – Os agrotóxicos são produtos químicos sintéticos utilizados para combater os insetos, larvas, fungos e carrapatos que são vetores de doenças em cultivos. A Anvisa autoriza o uso dos agrotóxicos de acordo com os estudos de toxicidade e segurança alimentar; porém, o uso em excesso dessas substâncias e a ausência de Boas Práticas Agrícolas (BPA) podem trazer riscos de intoxicação ao trabalhador rural e danos ao meio ambiente.

Segundo relatório do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em 2011 as vendas de ingredientes ativos (i.a) em produtos formulados foram de 422.166,85 toneladas; dez anos depois, em 2021, este número subiu para um total de 720.869 toneladas, com crescimento expressivo entre 2018 e 2021. “Com o crescimento da produção de laranja e outros cultivos, o Brasil como grande potência agropecuária tornou-se um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo”, afirma Manhani.

METODOLOGIA – Cinco tipos de compostos foram analisados (Trifluralina, Clorotalonil, Clorpirifós, Dicofol e Azoxistrobina) e o Instituto Adolfo Lutz fez a doação de padrões de pesticidas, colaborando com o preparo das amostras e dando o suporte com a experiência técnica da equipe de pesquisadores. Os ingredientes ativos em estudo foram selecionados com base nos resultados do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) – das 744 amostras de laranja analisadas no período de 2013 a 2015, o i.a. Azoxistrobina foi encontrado em 71 amostras, o Clorpirifós em 217 e o Dicofol  em 30 amostras.

As 21 amostras cítricas do estudo de Manhani foram analisadas pelas técnicas analíticas de cromatografia a gás com detector de captura de elétrons (GC-ECD) e cromatografia a gás com espectrometria de massas (GC-MS). A técnica do IPT utilizou os equipamentos para a quantificação e a confirmação dos analitos, ou seja, das substâncias ou componentes químicos, em uma amostra, que eram alvo de análise nos ensaios.

Foram estudados no projeto três métodos de extração: ‘QuEChERS ORIGINAL’, ‘QuEChERS Acetato MODIFICADO’ e extração líquido-líquido. “O método QuEChERS está revolucionando o preparo de amostras de matrizes complexas e, neste estudo, foram avaliados a mudança de pH na extração bem como a proporção de amostra e adição de diferentes sais e adsorventes na etapa de limpeza da amostra (clean up) para a eficiência da extração dos ingredientes ativos”, explica ela. Parâmetros de qualidade analítica como seletividade/efeito matriz, linearidade, limite de detecção e quantificação foram estabelecidos para os cinco pesticidas.

Os ensaios foram feitos no Laboratório de Processos Químicos e Tecnologia de Partículas, no Laboratório de Biotecnologia Industrial e no Laboratório de Química e Manufaturados do IPT. No preparo de amostras foram realizados estudos para comparar os métodos e verificar a eficiência de extração dos agrotóxicos da matriz e qual o mais adequado em relação à detecção do ingrediente ativo  e o efeito matriz sobre o sinal do equipamento.

Em suas análises, Manhani detectou a presença do i.a. Dicofol em cinco amostras de suco de laranja, dentre elas um suco orgânico certificado; outro dos pesticidas encontrados, o Clorpirifós, está atualmente sob reavaliação da Anvisa e de outros órgãos internacionais do Canadá e Austrália, sendo que nos EUA foi proibido em 2022. O motivo da nova avaliação são aspectos toxicológicos como mutagenicidade e toxicidade para o desenvolvimento, especialmente a neurotoxicidade, encontrados em estudos recentes. E terem sido detectados nas amostras, as concentrações são muito pequenas, sendo que para o i.a. Clorpirifós o valor ficou muito menor que o limite máximo de resíduo (LMR) permitido para a cultura citros pela ANVISA. “As técnicas analíticas aplicadas na determinação de resíduos em alimentos devem garantir alta sensibilidade e robustez nas análises por instrumentação e, não menos importante, os métodos de preparo de amostras adequados para cada matriz, a fim de garantir a confiabilidade nos resultados obtidos”, ressalta a técnica. “A determinação de resíduos nos alimentos torna-se uma ferramenta de grande valia na estimativa de exposição do ser humano e do meio ambiente, bem como o indicativo de Boas Práticas Agrícolas, ajudando na tomada de decisões regulatórias a fim de se garantir a segurança alimentar”, conclui ela.

INSCREVA-se em nossa newsletter

Receba nossas novidades em seu e-mail.

SUBSCRIBE to our newsletter

Receive our news in your email.