Avaliação experimental do concreto armado de alta resistência submetido a elevadas temperaturas

Compartilhe:
Resumo:

O trabalho apresenta a avaliação experimental do concreto armado quando submetido a elevadas temperaturas e ressalta-se como importante nessa pesquisa a idade avançada do concreto envelhecido naturalmente ao ambiente agressivo local (8 anos), bem como a natureza litológica do agregado gaúcho, que foi basalto. A maioria das pesquisas utiliza agregados de natureza calcária ou granítica. Além disso, esta pesquisa apresenta também a importante contribuição da pigmentação inorgânica do concreto, com uso de óxido de ferro (Fe2O3), como recurso útil na avaliação do concreto pós-incêndio através da mudança de cor do concreto colorido (pigmentado). Na pesquisa também foram avaliadas: as propriedades mecânicas residuais (do concreto e do aço), a caracterização mineralógica por difração de raios X e análises termodiferencial e termogravimétrica (ADT-TG) de amostras de concretos extraídas das regiões das diferentes profundidades dos termopares, para correlação com os patamares de temperatura alcançados e mudanças de coloração no interior/exterior do elemento).


Referência:

BRITEZ, Carlos; HELENE, Paulo; BERTO, Antonio Fernando. Avaliação experimental do concreto armado de alta resistência submetido a elevadas temperaturas. Concreto e Construção, n. 67, p. 91-100, 2012.

INSCREVA-se em nossa newsletter

Receba nossas novidades em seu e-mail.

SUBSCRIBE to our newsletter

Receive our news in your email.