Futuro de novos sistemas construtivos

Compartilhe:
Existe um histórico do que poderá acontecer com materiais e sistemas construtivos tradicionais após 10 a 50 anos de uso, mas não há ainda conhecimento do processo de deterioração das novas alternativas. Estes produtos precisam ser analisados de modo a comprovarem expectativas e anteciparem o que podem se tornar com o tempo, e para isso os ensaios acelerados de envelhecimento são a ferramenta adequada porque aumentam a frequência da ocorrência de agentes que provocam a deterioração.

O ensaio em sistemas de vedação vertical, em paredes de fachadas estruturais ou de fechamento, é descrito em artigo da edição de setembro da Revista Notícias da Construção, publicada pelo Sindicato da Construção (SindusCon) de São Paulo. Esse teste busca verificar o potencial para suportar as variações atmosféricas em situação normal de uso e, apesar de parecer simples, aborda aspectos nem sempre avaliados, como dilatação térmica, retração e expansão em função da variação do teor de umidade dos materiais que compõem o sistema.

Segundo João Heitzmann Fontenelle, autor do artigo e pesquisador do Laboratório de Componentes e Sistemas Construtivos do IPT, o ensaio tem gerado resultados significativos e traz desafios ao desenvolvimento de soluções para os sistemas inovadores, colaborando para o aumento da confiabilidade e, consequentemente, o incremento da competitividade da construção no Brasil.
Leia abaixo o artigo na íntegra.

INSCREVA-se em nossa newsletter

Receba nossas novidades em seu e-mail.

SUBSCRIBE to our newsletter

Receive our news in your email.