Parcerias pela inovação

Compartilhe:
O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, anunciou no dia 20 de junho, na abertura da “11ª Conferência da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei)”, em Fortaleza (CE), que a pasta ampliará os instrumentos voltados para a inovação no país. Os mecanismos incluem a elevação de recursos na principal agência de fomento, como a criação de novos fundos setoriais. A proposta é induzir a inovação no setor privado.

O ministro citou ainda a necessidade de criar uma estrutura para atender, principalmente, médias e pequenas empresas interessadas em inovar. Batizada de “Embrapa da Indústria”, a agência reunirá instituições como a Confederação Nacional da Indústria (CNI), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e Instituto Nacional de Tecnologia (INT), entre outros.
Ministro Mercadante (ao centro) visitou o IPT em fevereiro deste ano e conheceu a câmara de névoa salina do Laboratório de Corrosão e Proteção, que recebeu investimentos da Petrobras
Ministro Mercadante (ao centro) visitou o IPT em fevereiro deste ano e conheceu a câmara de névoa salina do Laboratório de Corrosão e Proteção, que recebeu investimentos da Petrobras


O superintendente de Tecnologia da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip), Carlos Camerini, destacou no mesmo evento o papel dos institutos de tecnologia para impulsionar a inovação incremental no setor de petróleo e gás nacional. “A indústria não contratará uma universidade e sim institutos de pesquisa de serviços tecnológicos, como o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e o Instituto Nacional de Tecnologia (INT). Isso já é consenso no setor. Por mais incremental que seja o processo, a ajuda de institutos tecnológicos é fundamental”, afirmou Camerini.

Leia abaixo as duas matérias na íntegra.


Mercadante anuncia medidas para impulsionar a inovação

O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, anunciou ontem (20), em Fortaleza (CE), que a pasta ampliará os instrumentos voltados para a inovação no país. Os mecanismos incluem a elevação de recursos na principal agência de fomento, como a criação de novos fundos setoriais. A proposta é induzir a inovação no setor privado, apontado por ele como pouco inovativo.

“Temos um imenso desafio que é criar uma verdadeira cultura empresarial pela inovação”, destacou na abertura da 11ª Conferência da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), que segue até esta quarta-feira (22), na capital cearense. De acordo com ele, o crédito da Finep poderá ser acrescido em até R$ 2 bilhões neste ano e está em estudo a criação de quatro novos fundos setoriais, nas áreas de mineração, automotiva, construção civil e financeira.

Vale citar também a instituição de uma estrutura para atender, principalmente, médias e pequenas empresas interessadas em inovar. Batizada de “Embrapa da Indústria”, a agência reunirá instituições como a Confederação Nacional da Indústria (CNI), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Instituto Nacional de Tecnologia (INT), entre outros.

Segundo o ministro, a gestão será prioritariamente executada pelo setor privado, numa relação equilibrada com o setor público. “Vamos criar uma clínica de inovação, no modelo do Instituto Fraunhofer, centro alemão que reúne mais de 60 entidades de pesquisa. A empresa contrata o serviço para inovação, sendo que ela arcará com 30% do valor do trabalho e o restante será custeado pela agência”, explicou. A proposta pode ser apresentada já no dia 3 de agosto durante o Congresso Brasileiro de Inovação, organizado pela CNI.

Também está em estudo o aumento da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), o que significa taxar mais a exportação de capitais para financiar a pesquisa e desenvolvimento (P&D) no Brasil. “É um tema difícil de resolver, pois envolve acordos internacionais. Mas estamos tentando entrar em todas as áreas que a gente puder”, avisou.

Mercadante disse também que está em busca de parceiros na iniciativa privada para financiar capital semente. O objetivo é elevar a participação deste segmento no crédito para inovação. Está nos planos do MCT ainda mudar o marco regulatório para investimento direto, atrair novos centros de P&D, agilizar o processo de concessão de patentes, aprimorar os incentivos fiscais, entre outros pontos.

Setor frágil
Durante a conferência, o ministro avaliou a participação do setor privado na inovação como altamente tímida. Na opinião de Mercadante, um modelo de importações passivo, sem a exigência de transferência de tecnologia, consta entre os principais fatores que levam a esse comportamento.

“Não podemos simplesmente aceitar investimento externo sem discutir ciência e tecnologia. Temos que mudar de atitude. O Brasil tem hoje mercado interno para negociar. Precisamos ser mais ofensivos”, alertou.

A opinião foi corroborada pelo presidente da Finep, Glauco Arbix, que avaliou o setor empresarial como o grande calcanhar de aquiles no Brasil na área de inovação. “A economia brasileira remunera pouco a inovação. É difícil, arriscado e caro inovar no Brasil”, concluiu.

(Cynthia Ribeiro, de Fortaleza, para o Gestão C&T online)


Busca por institutos tecnológicos deve crescer, avalia superintendente da Onip

O superintendente de Tecnologia da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip), Carlos Camerini, destacou nesta segunda-feira (20), em Fortaleza (CE), o papel dos institutos de tecnologia para impulsionar a inovação incremental no setor de petróleo e gás. Na avaliação dele, a atuação desses agentes é fundamental e deverá crescer exponencialmente nos próximos anos.

A expectativa, de acordo com ele, está apoiada no fato das universidades terem gerado pouca inovação, mesmo tendo recebido altos investimentos em ciência e tecnologia, via Petrobras, por exemplo. “Houve uma geração grande de conhecimento, criação de infraestrutura laboratorial e capacitação de pessoal, mas a inovação foi baixa”, avaliou em entrevista ao Gestão C&T online.

Ele lembrou que as instituições de ensino superior estão voltadas para pesquisas científicas e a demanda do mercado é para pesquisa tecnológica. “É preciso criar parques ou institutos onde os profissionais sejam pesquisadores para inovação nas empresas e não professores”, disse após o workshop do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), realizado dentro da programação da 11ª Conferência da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei).

Para sanar este gargalo, ele destacou que o setor já apresentou uma reivindicação, dentro da Agenda da Competitividade, liderada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A proposta é que parte dos recursos dos fundos setoriais e dos investimentos da Petrobras em instituições científicas e tecnológicas (ICTs) sejam direcionados diretamente para empresas para o desenvolvimento de produtos. Caberá a elas decidir se contratarão ou não um centro de tecnologia.

“A indústria não contratará uma universidade e sim institutos de pesquisa de serviços tecnológicos, como o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e o Instituto Nacional de Tecnologia (INT). Isso já é consenso no setor. Por mais incremental que seja o processo, a ajuda de institutos tecnológicos é fundamental”, completou.

(Cynthia Ribeiro, de Fortaleza, para o Gestão C&T Online (ABIPTI), número 1047, 21/06/2011)

INSCREVA-se em nossa newsletter

Receba nossas novidades em seu e-mail.

SUBSCRIBE to our newsletter

Receive our news in your email.